Limas




- O cumprimento exato das operações de limado depende da adequada posição do corpo, pés e braços do operador, assim como, também, da uniformidade de frequência do percurso da lima. Geralmente, ao limar uma peça, fiza-se esta em uma morsa de bancada. Se tiver que fixar peças com superfície polida, empregam-se mordentes, de metal mole (alumínio, cobre, etc.), revestindo as mandíbulas para evitar que o estriado dos mordentes deixe marcas nas peças.

- A diminuição do cansaço resulta por conseguinte, em aumento do rendimento de trabalho, dependendo de hábitos adequados.

Resultado de imagem para limas bastarda- A posição dos braços ao segurar a lima é de uma importância excepcional. O ajustador deve segurar a lima com a mão direita, de maneira que o extremo redondo do cabo apoie na palma da mão. O dedo polegar da mão direita coloca-se acima do cabo, e os dedos restantes rodeiam por baixo. A palma da mão esquerda coloca-se na ponta da lima e esta se põe sobre a peça a trabalhar. O extremo do cabo deve apoiar-se na palma da mão, sem grande esforço, porém com firmeza.

- A posição do corpo do operador tem uma grande importância, a fim de diminuir o cansaço e elevar o rendimento de trabalho. O operado deve situar-se meio de lado em relação ao eixo da morsa, e a uma distância aproximada de 200 a 300 mm da bancada.


- A altura da morsa estará correta para o operador quando seu braço e antebraço, da mão que segura o cabo da lima, formarem, na posição de trabalho, um angulo de 90º. Quando se limam camadas delgadas que não requeiram grande esforço, o corpo deve manter-se rígido, girando em 45º em relação ao eixo da respectiva morsa. Quanto a posição dos pés, convém lembrar que o esquerdo deve situar-se perto da bancada e o direito um pouco para trás e aberto aproximadamente uns 200mm.

Geralmente, o ângulo entre as linhas médias dos pés é de 60º a 75º. Os músculos dos pés descansarão alternadamente, já que em um dos percursos de trabalho o peso recai sobre o pé esquerdo e, no percurso oposto, essa carga passará para o pé direito.
- Os dentes das limas sofrem desgaste por efeito das aparas desprendidas, perdendo sua capacidade de corte; ou, em outras palavras, desgastam-se. 

- E mais, as aparas desprendidas, de menor tamanho (limalhas), indructam-se entre os , dentes da lima dificultando o trabalho e riscando a superficie trabalhada. As limas podem estragar-se prematuramente, não só pelo desgaste, mas também em consequência de um trato descuidado. Para evitar que a lima fique cega pelas aparas, ao limar metais moles e dúcteis, recomenda-se passar giz no seu picado. 

- Para prolongar sua vida útil, as limas devem ser guardadas e protegidas contra golpes, por mais insignificantes que estes sejam. Ao guardar as limas, colocar em suportes de madeira, procurando não roça-las entre elas. O limado da primeira camada de uma peça fundida, ou cortada pelo maçarico, origina um rápido desgaste dos dentes. É por isso que as superfícies das peças oxidadas devem ser cinzeladas (cortadas com talhadeiras) e, só depois, se procede ao limado. Para evitar oxidação, as limas devem ser protegidas contra a umidade. 


- Evitar, também, graxa nas limas, porque substâncias lubrificantes diminuem suas propriedades cortantes. É pelo mesmo motivo que não se deve tolerar sujeira e nem pó, sobretudo se estes forem de características abrasivas. Para prolongar a vida de serviço de uma lima nova, deve esta ser empregada, em princípio, para o limado de materiais "moles" (bronze, cobre, latão), e somente depois trabalhar materiais mais duros, como o aço e materiais fundidos. Com o uso continuado, é normal em uma lima ocorrer deposição de limalhas e aparece entre os seus dentes, com isso prejudicando o rendimento do trabalho; isto é, diminui-se a profundidade de corte em cada passada da lima. Por esse motivo,as limas devem ser limpas com escova de aço periodicamente. 

Para que seja mais cômodo segurar a lima durante o trabalho, é colocado em sua espiga um cabo de madeira dura. A superfície do cabo deve ser lisa, polida, e o seu comprimento deve ser proporcional ao tamanho da lima. Portanto, uma lima grande deve ter cabo grande e vice-versa. O comprimento do cabo deve ser uma vez e meia maior do que o da espiga.

O diâmetro do furo do cabo não deve passar a largura da parte média da espiga e a profundidade deve corresponder com o comprimento da espiga. O furo no cabo é feito com brocas, e, para evitar que o cabo de madeira se abra, em seu extremo se encaixa um anel metálico.


Para encaixar a espiga, coloque esta no furo do cabo e golpeie a cabeça do cabo contra a bancada, segurando a lima com a mão direita, golpeando verticalmente. Pode-se também colocar a espiga da lima no furo do cabo e, segurando a lima com a mão esquerda, assentar vários golpes de martelo na cabeça do cabo. Para se tirar o cabo da lima, segurar esta com a mão esquerda, e com a direita assentar dois a três golpes suaves, com o martelo, no bordo do anel.

Se o cabo de madeira da lima afrouxar-se com frequência, pode-se sanar essa dificuldade da seguinte maneira: dobrar-se ligeiramente o extremo da espiga da lima e introduzi-la novamente no cabo.

Ao fazer essa operação, tenha-se muito cuidado para não exagerar na dobra, porque o aço para limas é muito quebradiço.

Não é aconselhável trabalhar com limas de cabos rachados ou enrolados com arame. Cabos assim ferem as palmas das mãos e podem separar-se, ao pressionar a lima com a mão esquerda. 


Cald'nazza



Nenhum comentário :

Postar um comentário